Avançar para o conteúdo

a expatriação é um tema da campanha presidencial

Cerca de 2,5 milhões de franceses vivem no estrangeiro, principalmente por razões profissionais. No entanto, continuam a manter fortes laços com a França. Neste período eleitoral, a expatriação poderá ser um tema de campanha.

Informações sobre o artigo e o título

94 % dos expatriados tencionam ir às urnas em 2017, de acordo com o barómetro Humanis 2017 - lepetitjournal.com. A maior parte deles vive na Europa, em África, nos Estados Unidos ou na Oceânia, mas 82% deles seguem a atualidade política francesa pelo menos uma vez por semana. Um conjunto não negligenciável de candidatos às eleições presidenciais. O que é que estes expatriados esperam do novo Chefe de Estado? Que ele dê prioridade ao emprego (84 %), à educação (76 %) e à segurança (64 %). Nada de novo, uma vez que estes são domínios importantes para a maioria dos franceses.

"Mas onde há divergências é quando olhamos para as questões que o futuro Presidente irá abordar e que estes franceses no estrangeiro dizem ser as que mais os preocupam", salienta Sylvaine Emery, Directora de Actividades Internacionais e Ultramarinas do Humanis: impostos, educação, reforma e saúde. Em suma, muita proteção social e muita fiscalidade. "É aquele pequeno extra francês. O nosso sistema de proteção social é mais eficaz e menos dispendioso. Como expatriados, não estão habituados ao sistema anglo-saxónico, em que é preciso pagar antes de receber tratamento", explica Stéphanie Villers, economista-chefe.

Do ponto de vista dos expatriados franceses, os candidatos aguardam, portanto, com grande expetativa estas propostas. Tanto mais que, embora o Obamacare tenha tido um impacto na cobertura social dos expatriados nos Estados Unidos (92 % estão agora cobertos), o facto é que o conjunto das quotizações (reforma, saúde, previdência e assistência ao repatriamento) diminuiu no ano passado. Isto deve-se ao facto de 48% dos expatriados que não estão cobertos considerarem o custo demasiado elevado.

Criar empresas? Sim, mas não em França

O outro ponto não negligenciável para a campanha presidencial diz respeito à criação de empresas. Entre os expatriados, 20 % são empresários, enquanto 39 % admitem que se sentem tentados a iniciar um projeto empresarial... no estrangeiro! Porque não em França? Os procedimentos administrativos são considerados demasiado complexos por 79% dos expatriados. "Isto levanta questões sobre o espírito empresarial", sublinha Stéphanie Villers, economista-chefe. "É evidente que se trata de um tema recorrente na política. Há dois quinquénios que ouvimos falar de medidas de simplificação, mas assistimos a uma fuga de cérebros. E, no entanto, a criação de empresas é o emprego de amanhã".

Mas o que amplifica a necessidade de a França repensar a expatriação é, obviamente, o aumento do protecionismo nos países de acolhimento. "Com a eleição de Trump e o Brexit, é um banho de água fria. Quem poderia imaginar que estes dois símbolos da globalização e do comércio livre se tornariam zonas de tensão?", acrescenta o economista.

Após a eleição de Trump e o Brexit, a guerra económica começou

Embora seja ainda demasiado cedo para tirar conclusões em termos de números, as tendências futuras são fortemente previstas. "Poderá haver uma mudança para outros destinos para os expatriados franceses. Ásia-Pacífico, Oceânia, Canadá, desde que a NAFTA não seja posta em causa. A África, que durante muito tempo foi negligenciada, poderá tornar-se uma zona de crescimento importante.

Na Europa, que representa 49 % dos destinos escolhidos pelos expatriados franceses, o desafio é grande. "Se a zona euro e a França souberem dar os sinais certos, terão a oportunidade de se afirmarem como líderes. Isto é particularmente verdade para a cidade. Ela representa 15 % do PIB britânico. Temos todo o interesse em recuperar esta fuga de cérebros". Estima-se que existam cerca de 400.000 expatriados franceses no Reino Unido. "A decisão de Theresa May sobre um possível "hard Brexit" será crucial. Depois disso, os expatriados terão dois anos para decidir. A isto junta-se a queda da libra esterlina: já não é uma zona de conforto. Portanto, a questão está em aberto e a guerra económica começou".

fonte

VAP Consulting

Os nossos consultores estão à sua disposição

Olá e bem-vindo à VAP Consulting. A nossa equipa terá todo o gosto em responder a quaisquer questões que possa ter.

Alimentado por WpChatPlugins
pt_PT