Avançar para o conteúdo

PORTUGAL NA VIA DO PLENO EMPREGO

O REGRESSO AO PLENO EMPREGO EM PORTUGAL

Salário mínimo em alta, imposto sobre o volume de negócios, aumento das pensões... Lisboa ousa ir contra os dogmas económicos da UE. E, para desgosto dos defensores da austeridade, esta política está a dar frutos.

Confrontado com ao famoso modelo alemãoUm contra-modelo português? A julgar pelos excelentes números de que Lisboa se pode orgulhar. Parece que o dogma da austeridade, apresentado pela União Europeia (UE) como a única opção económica viável, está a ser seriamente posto em causa. Está a ser seriamente posto em causa.

Com a taxa de desemprego em queda constante desde novembro de 2015Portugal, que esteve à beira do colapso económico há apenas alguns anos. Agora, está mais do que a levantar a cabeça. Pode mesmo olhar para os seus vizinhos, sobretudo para a França. A taxa de desemprego atingiu um pico de 17,5% no início de 2013. Atualmente, no início de 2018, é de apenas 7,9%, abaixo dos 8,9% registados pela França.

Portugal, o país com melhor desempenho na zona euro

Será que os portugueses, como bons estudantes europeus, aceitaram o congelamento ou a redução dos salários para voltarem ao trabalho? Muito pelo contrário. O salário mínimo foi aumentado de 530 euros para 557 euros em 2017 e deverá subir para 600 euros em 2019. Teria então Lisboa seguido o exemplo francês e alemão ao aliviar a tributação das empresas? Mais uma vez, não: o Governo português criou, por exemplo, um imposto para todas as empresas com um volume de negócios superior a 35 milhões de euros.

De facto, em muitos aspectos. A política económica de Portugal é totalmente contrária à recomendada por Bruxelas e aplicada por Berlim e Paris há vários anos. O orçamento de Portugal para 2018 prevê um aumento das pensões de reforma. Inclui também um programa de reforço da função pública. Muito longe da teoria do trickle-down, uma redução de impostos para a classe média. Ao mesmo tempo, Bruxelas teoriza e impõe uma doutrina de austeridade baseada, nomeadamente, em cortes salariais e reduções drásticas das despesas sociais. Portugal parece, assim, estar a contradizer todas as lições económicas da Europa.

Porque é que Bruxelas não está entusiasmada com a história de sucesso de Portugal

O Governo de esquerda de António Costa pode orgulhar-se de ter implementado com sucesso uma política económica ambiciosa. Então, porque é que o modelo português é tão pouco elogiado na UE e tão pouco divulgado na imprensa? Sem dúvida, porque demonstra que as políticas de recuperação económica. Um conceito que se tornou quase tabu na Europa, podem efetivamente dar frutos. Baseiam-se numa ideia simples. Estimular o consumo através do aumento dos salários, enchendo assim a carteira de encomendas das empresas. Com efeitos positivos para o investimento e a produtividade.

Enquanto muitos governos europeus estão comprometidos com o dogma liberal e de austeridade exigem que os seus cidadãos façam sacrifícios Com os resultados prometidos ainda em suspenso, é fácil compreender a falta de entusiasmo da oposição de direita, que apoia a política europeia de austeridade, em relação às opções políticas do Governo de António Costa. De facto, o primeiro-ministro português não hesita em atacar frontalmente a linha outrora seguida pela direita. De acordo com as expectativas da UE: "A política de austeridade seguida nos últimos anos resultou num aumento sem precedentes do desemprego, com efeitos sociais devastadores para os jovens e os cidadãos menos qualificados. Para além das famílias e dos milhares de portugueses desempregados: tem estado também associada a uma desvalorização da dignidade do trabalho e dos direitos dos trabalhadores."

A política de austeridade provocou um aumento sem precedentes do desemprego, com efeitos sociais devastadores

Esta política pouco ortodoxa é ainda mais irritante para as autoridades de Bruxelas. De facto, a Comissão considera que o orçamento de Portugal para 2018 não cumpre os requisitos europeus de redução da despesa pública. Fixado em 0,6%, só permitiria uma redução de... 0,4%. A UE parece ter dificuldade em digerir o facto de Portugal ter desmentido o mantra de Bruxelas de que a única forma de reduzir o défice orçamental é cortar a despesa pública. Ao demonstrar que uma política do lado da procura é capaz de desencadear um círculo virtuoso que conduz a um aumento das receitas públicas, Lisboa está a pôr em causa os próprios fundamentos de um dogma económico que a UE teima em acreditar estar gravado na pedra - ou será o seu próprio ADN?

Um paradoxo muito europeu. Os dois mais zelosos defensores da doutrina económica de Bruxelas, Berlim e ParisOs Estados Unidos e a Europa estão longe de estar na melhor posição para mostrar o caminho. Com o crescimento a abrandar, o consumo a diminuir e o investimento em baixa no primeiro trimestre de 2018. A França e a Alemanha poderiam estar menos seguras de si. No entanto, o modelo alemão continua a gozar de uma publicidade excecional em toda a Europa.

 

fonte 

VAP Consulting

Os nossos consultores estão à sua disposição

Olá e bem-vindo à VAP Consulting. A nossa equipa terá todo o gosto em responder a quaisquer questões que possa ter.

Alimentado por WpChatPlugins
pt_PT