Avançar para o conteúdo

Parlamento Europeu analisa tributação dos expatriados

Em resposta à pressão dos deputados franceses que vivem no estrangeiro, foi criada uma missão de inquérito na Assembleia Nacional para analisar a tributação e a proteção social dos expatriados.

Um imposto que se mantém há anos, apesar dos repetidos avisos sobre a sua fragilidade jurídica. A semelhança entre o litígio sobre a CSG para os não residentes e o litígio sobre o imposto 3 % sobre os dividendos, que foi notícia este outono, não é acidental. Os mesmos ingredientes estão presentes, reflectindo as deficiências da nossa governação fiscal. Uma disposição aprovada na febre fiscal do verão de 2012, contribuintes exasperados e dispostos a recorrer aos tribunais, e uma justiça europeia que interfere cada vez mais com as disposições nacionais. "É mais um caso de enterrar a cabeça na areia e embrulhá-la numa carapaça legal".lamenta Anne Genetet, deputada francesa no estrangeiro.

 

As implicações financeiras da CSG para os não residentes não são de modo algum comparáveis aos 10 mil milhões de euros do imposto sobre os dividendos (3 %). Estamos a falar de 250 milhões de euros cobrados anualmente pelo Estado, mesmo que a fatura possa vir a ser pesada se o litígio se arrastar por mais de uma década.

É sobretudo no número de queixas que este caso se destaca. Segundo um relatório de Christine Pires-Beaune (PS), deputada francesa, publicado por ocasião do projeto de lei das finanças, a administração recebeu mais de 59.000 pedidos, dos quais 44.000 foram tratados. Esta situação está a sobrecarregar a tesouraria dos não residentes em Noisy-le-Grand, que não está preparada para fazer face a estes reembolsos em grande escala.

Uma revisão completa

Aquando dos últimos debates sobre o orçamento da segurança social, o governo fechou a porta à supressão das contribuições para a segurança social dos não residentes, tal como solicitado pelos deputados dos franceses no estrangeiro. Perante as suas pressões, a Ministra da Solidariedade e da Saúde, Agnès Buzyn, aceitou, no entanto, em princípio, criar uma missão de inquérito na Assembleia Nacional para analisar as questões relativas à fiscalidade e à proteção social dos franceses residentes no estrangeiro. O seu trabalho deverá ser apresentado este verão.

"Há uma tendência para ver os expatriados como crianças mimadas, mas há uma total falta de compreensão de quem são os franceses no estrangeiro".defende Anne Genetet. A deputada residente em Singapura recorda que os cidadãos franceses no estrangeiro nem sempre são quadros superiores enviados pelas suas empresas, mas muitas vezes estudantes ou professores. As prestações sociais nem sempre são equivalentes às existentes em França: "Nos nossos países, não fazemos contribuições para as pensões, capitalizamos".ela ilustra

fonte

VAP Consulting

Os nossos consultores estão à sua disposição

Olá e bem-vindo à VAP Consulting. A nossa equipa terá todo o gosto em responder a quaisquer questões que possa ter.

Alimentado por WpChatPlugins
pt_PT