Avançar para o conteúdo

Portugal recupera a credibilidade nos mercados

É seguro dizer que Portugal já não é um dos países com pior desempenho da União Europeia? Que países são atualmente os elos mais fracos da zona euro do ponto de vista financeiro?

Rémi Bourgeot: Portugal percorreu um longo caminho. Há vários anos que não faz parte dos "maus alunos" da troika, uma vez que aplicou a cura da austeridade sem vacilar muito em troca de um programa de ajuda de 75 mil milhões de euros. Portugal teve até o "luxo" de ter um Governo de coligação anti-austeridade, desde 2015, que se desviou da política orçamental que lhe foi imposta, pelo menos no que diz respeito a certas despesas. O país beneficiou de uma cadeia de acontecimentos que lhe permitiu limitar os danos.

A cura da austeridade foi significativa, mas menos irracional do que no caso da Grécia, e o país pôde sair do programa, ao abrigo da política ultra-expansionista do BCE, quando muitos pensavam que seria necessário um segundo programa. A queda das taxas de juro permitiu a Portugal refinanciar a sua dívida diretamente nos mercados, com uma descida das taxas muito mais rápida do que teria sido possível apenas devido à melhoria económica. Apesar da aceleração do crescimento e da queda maciça do desemprego, que passou de mais de 161 PT3T durante a crise para menos de 91 PT3T atualmente, a dívida portuguesa mantém-se em níveis muito elevados, cerca de 1301 PT3T do PIB. A decisão da S&P de elevar a notação de Portugal para grau de investimento reflecte esta dinâmica globalmente positiva, nomeadamente em termos de crescimento.

As condições económicas melhoraram, em geral, na Europa, graças, nomeadamente, ao programa de compras maciças do BCE e à depreciação do euro desde 2014. Esta recuperação e a liquidez apoiaram quase todos os países do Sul, mas a situação continua má. A crise bancária não foi resolvida, nomeadamente no caso da Itália. Como vimos ao longo do ano, as regras da união bancária, que consistem em pedir a contribuição dos credores dos bancos, continuam a não ser aplicáveis e os Estados continuam na linha da frente. A Itália, a Espanha e mesmo Portugal continuam a ser grandes fontes de preocupação a este respeito. Na Grécia, a situação melhorou com o regresso ao crescimento depois de uma verdadeira depressão que fez com que o país perdesse um quarto da sua atividade económica, mas a situação continua a ser muito grave, apesar desta recuperação algo mecânica após uma crise tão grave.

A agência de notação considera que as perspectivas do país são estáveis e está otimista quanto ao seu crescimento no período 2017-2020. E os outros membros do PIIGGS? Os outros países em dificuldade estão a viver uma dinâmica semelhante?

A melhoria das condições económicas é bastante generalizada entre os chamados países periféricos. Esta situação não é exclusiva de Portugal. Ao longo dos últimos anos, a maioria dos países beneficiou de uma combinação de apoio monetário considerável e de uma saída gradual das medidas de austeridade mais severas, para não falar da queda dos preços das matérias-primas que beneficiou os importadores. Esta melhoria não deve, no entanto, fazer-nos esquecer os problemas estruturais que afectam a zona euro. A crise bancária, já referida, é um ponto-chave e, de uma forma mais geral, a união monetária continua a não estar verdadeiramente preparada para os períodos de crise. Com a próxima crise, assistiremos a um ressurgimento de preocupações que pensávamos terem sido definitivamente ultrapassadas. De certa forma, o BCE mudou a sua natureza, tornando-se um verdadeiro banco central pronto a apoiar a dívida pública para garantir a sobrevivência da moeda pela qual é responsável. Uma mudança de direção à frente da instituição pode pôr um pouco em causa esta conquista. Mas, acima de tudo, a união bancária não foi verdadeiramente implementada, nomeadamente no que se refere à ausência de uma garantia comum para os depósitos bancários. E é evidente que as propostas de Emmanuel Macron para um orçamento comum substancial esbarraram numa parede de tijolo. Tudo está a melhorar, com base numa situação que, no entanto, está muito deteriorada... até à próxima crise.

A S&P baixou a classificação da UE em 30 de junho. Poderá a recuperação de Portugal inverter esta tendência?

Em 30 de junho de 2016, na sequência da votação do Brexit, a S&P baixou a notação de crédito da UE de AA+ para AA. Por um lado, a agência sublinhou o desafio que o voto britânico representa para a coesão da União. Por outro lado, reconheceu as dificuldades orçamentais que a saída do Reino Unido representa para a UE. Além disso, a notação, ainda que reduzida, era acompanhada de uma perspetiva estável e continuava a basear-se na ideia de que a contribuição orçamental do Reino Unido seria respeitada. Uma saída caótica na sequência de um fracasso nas negociações, em particular, poderia alterar a situação, mas ainda não chegámos a esse ponto.

Deixando de lado a questão do Brexit, a recuperação económica que a Europa atravessa atualmente favorece, de um modo geral, a solvabilidade da UE, que se estima próxima da dos seus membros mais solventes. A melhoria do rating de Portugal não tem um impacto significativo no rating da UE, mas ilustra esta tendência mais geral, cujo limite continua a residir nas fragilidades estruturais da integração europeia, nomeadamente do ponto de vista monetário.

Fonte

 

VAP Consulting

Os nossos consultores estão à sua disposição

Olá e bem-vindo à VAP Consulting. A nossa equipa terá todo o gosto em responder a quaisquer questões que possa ter.

Alimentado por WpChatPlugins
pt_PT