Avançar para o conteúdo

Portugal prossegue a sua trajetória para o pleno emprego em 2018

Portugal tornou-se o melhor aluno da zona euro, com o crescimento económico no seu ponto mais alto, o desemprego no seu ponto mais baixo, o investimento numa tendência ascendente permanente e um défice orçamental que tende para zero.

Todas estas boas notícias são acompanhadas de uma novidade mundial: a energia eléctrica produzida pelas energias renováveis ultrapassou o consumo do país. O único inconveniente, de carácter ideológico, é que a política seguida para alcançar estes resultados continua a ser a oposta à defendida por Bruxelas e seguida por Berlim e Paris.

O orçamento do primeiro-ministro português para 2018, apresentado à Comissão Europeia no final de 2017, não caiu muito bem. A Comissão estimou que a redução necessária de 0,6% na despesa pública seria de "apenas" 0,4%, segundo os cálculos previsionais de Bruxelas. É uma crítica estranha se tivermos em conta que o défice de Portugal é atualmente um dos mais baixos da zona euro, com 1,4% em 2017, e que continua a diminuir.

Este pequeno país, à beira de uma recessão económica e de um grande colapso social há apenas alguns anos, tem vindo a melhorar progressivamente o seu desempenho económico e social nos últimos 30 meses, para desgosto dos líderes de outros países europeus, liderados por Emmanuel Macron, adeptos de políticas liberais de rigor orçamental. No entanto, as últimas medidas do Governo de António Costa, muito criticadas pela oposição de direita, parecem continuar a trazer uma melhoria geral, tanto a nível social como económico, para as empresas, os investidores e os trabalhadores e pensionistas das classes média e trabalhadora.

Recuperação, ajustamentos fiscais, aumentos do salário mínimo e incentivos ao investimento

Enquanto em França se reduzem os impostos sobre os rendimentos mais elevados, se suprimem ou compensam os impostos sobre as empresas e se congelam as pensões, o Governo português enveredou pela política fiscal oposta. O orçamento português para 2018 prevê uma redução substancial do imposto sobre o rendimento para a classe média, acompanhada de um novo aumento das pensões de reforma. No que diz respeito à tributação das grandes empresas, a opção portuguesa é igualmente oposta à francesa: foram introduzidas novas taxas para todas as empresas com um volume de negócios superior a 35 milhões de euros. No que diz respeito aos funcionários públicos, é o desbloqueamento das movimentações e promoções na função pública que está a ser posto em prática.

A política económica orientada para a procura que o Governo português tem vindo a desenvolver nos últimos dois anos e meio está claramente a dar frutos. Esta política baseia-se no aumento do consumo através da melhoria das condições profissionais e sociais dos trabalhadores portugueses, a fim de tornar o país mais atrativo para os investidores, melhorar a produtividade, permitir a subida de gama da produção, etc...
Por conseguinte, o desemprego continua a diminuir, fixando-se em 7,8 % no final de 2017, enquanto em França era de 8,9 % no mesmo período (estatísticas definidas pelo Secretariado Internacional do Trabalho). O salário mínimo foi aumentado de 530 euros para 557 euros em 2017 e será novamente aumentado em 2018 para 580 euros, com o governo a pretender aumentá-lo para 600 euros em 2019. A demonstração portuguesa de uma melhoria do investimento e do emprego privado graças a um aumento dos salários e das prestações sociais está em contradição direta com a doxa europeia, que defende que a competitividade das empresas só pode ser alcançada através da redução ou do congelamento dos salários e da redução das despesas sociais do Estado...

Energias renováveis, modernização a dobrar: de que é que a Europa está à espera para se inspirar?

A recente "estreia mundial" à escala de um país com uma população de mais de 10 milhões de habitantes deve servir de exemplo aos dirigentes políticos que promovem a transição ecológica e energética: Em março de 2018, Portugal produziu mais eletricidade a partir de fontes renováveis do que consumiu! A França, um país que se afirma como um dos principais promotores desta transição, apenas atingiu 16% de energias renováveis em 2017 e não cumprirá claramente o seu compromisso de 23% para 2020. A produção de eletricidade em França continua a basear-se na energia nuclear, com mais de 70%. A capacidade de Portugal para produzir 103% de eletricidade a partir de energias renováveis é surpreendente e sublinha a capacidade do país para se modernizar a dobrar: um ano antes, em março de 2017, as energias renováveis tinham produzido apenas 6% do consumo do país!

O que Bruxelas e a maioria dos dirigentes do Eurogrupo parecem não compreender ou não querer ouvir é muito simples: reduzir os défices orçamentais não significa apenas reduzir as despesas públicas. Quanto mais um Estado dinamiza a sua economia, melhorando os rendimentos e a proteção social da sua população, dos seus trabalhadores, dos seus pensionistas e das suas empresas, mais as suas receitas aumentam. Com um crescimento económico suficiente e estável (2,7% em Portugal em 2017), um desemprego baixo e um investimento crescente, a despesa pública não é mais do que um fator de ajustamento orçamental menor.

O Governo de António Costa compreendeu-o e aplica uma política de "apoio" à transição económica, social e energética, sem qualquer dogmatismo particular, a não ser o de não se curvar cegamente a um dogma que está, ele próprio, muito bem estabelecido: austeridade ou contenção orçamental, desresponsabilização do Estado, privatização dos serviços públicos, dumping social e aumento das desigualdades através da "privatização da dívida pública" em detrimento da proteção social.

De facto, António Costa apresentou recentemente em Bruxelas uma proposta de tributação dos gigantes californianos da Internet para consolidar o orçamento europeu e apoiar melhor as regiões: "Todos os grandes países estão a ter dificuldade em tributar estas grandes multinacionais americanas, as GAFA. (Google, Amazon, Facebook e Apple). Esta poderia ser outra forma de criar um recurso próprio para a União Europeia". 

O "milagre português" não é, portanto, um milagre, e a Europa poderia - se fosse capaz de ultrapassar a sua teimosia - olhar para o sucesso deste pequeno país, que conseguiu encontrar uma saída para a crise com base num melhor acordo social, ainda ausente das políticas da União, acompanhado de uma recuperação económica efectiva. Perante os repetidos fracassos das políticas económicas ditadas pela União Europeia - em comparação com os sucessos do governo de António Costa -, parece lógico que haja uma mudança de rumo no que respeita às grandes orientações orçamentais do velho continente. No entanto, isso ainda não parece estar na ordem do dia. E o abrandamento do crescimento em França e na Alemanha e a queda do investimento e do consumo nestes países no primeiro trimestre de 2018 são uma indicação clara da fragilidade da recente recuperação económica nos países "pró-Bruxelas".

Perante estas contradições, uma frase atribuída ao génio científico alemão, Albert Einstein, ilustra ironicamente a incapacidade dos líderes da UE para mudarem as suas políticas económicas: "Insanidade é fazer a mesma coisa vezes sem conta e esperar um resultado diferente". Em todo o caso, tendo em conta os resultados portugueses, resistir à loucura e tentar algo diferente parece ser claramente o melhor caminho a seguir: para o bem das pessoas... no mínimo. Mas será que ainda é necessário ter este objetivo?

VAP Consulting

Os nossos consultores estão à sua disposição

Olá e bem-vindo à VAP Consulting. A nossa equipa terá todo o gosto em responder a quaisquer questões que possa ter.

Alimentado por WpChatPlugins
pt_PT