Avançar para o conteúdo

Exilados franceses que deixaram para trás o inferno fiscal

O exílio fiscal é um fenómeno em plena expansão, tanto em termos de perfis afectados como de destinos, e o sistema fiscal francês, oneroso, complexo e instável, está no centro destas partidas.

Caros franceses exilados no estrangeiro,

É frequentemente apontado por alguns meios de comunicação social e pelo espetro político. No entanto, quem sabe alguma coisa sobre o assunto sabe que os "exilados fiscais", ou seja, os franceses que deixam a França para se estabelecerem permanentemente fora do país, fazem-no por uma série de razões. Entre os principais factores, muitos citam a dificuldade e a complexidade do sistema fiscal francês.

E, como bem sabe, contrariamente aos atalhos de alguns, o exílio fiscal não tem nada a ver com otimização fiscal ou evasão fiscal: trata-se de planear viver no estrangeiro, geralmente com toda a família. Por isso, não vale a pena criticar os franceses que partem, e não é certamente por isso que se vai voltar!

Sobretudo desde a eleição de François Hollande, o exílio fiscal continua a acelerar: nunca antes tantos contribuintes franceses foram para o estrangeiro. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, a comunidade francesa estabelecida fora de França ascende atualmente a 1,6 milhões, o que perfaz um total de 2 a 2,5 milhões de franceses.

Para além deste aumento do número de partidas, há uma outra caraterística recente na mudança de destinos. Embora a chegada ao poder de François Mitterrand, em 1981, tenha provocado a fuga de muitos franceses ricos para o estrangeiro, os países em causa limitavam-se sobretudo à Suíça, seguida da Inglaterra e da Bélgica. Atualmente, os franceses também se dirigem para Marrocos, Tailândia e Portugal. Por exemplo, o Ministério estima em cerca de 30 000 o número de franceses em Portugal (atualização de junho de 2015).

A novidade é que o exílio fiscal afecta também um leque muito mais vasto de categorias sociais. Acabaram-se as fantasias dos "ricos" que se mudavam para o estrangeiro: muitas famílias da classe média, estudantes e jovens profissionais estão a deixar o nosso país mais cedo para se estabelecerem noutro lugar. São também cada vez mais os reformados que passam a sua reforma no estrangeiro.

No entanto, a França não está condenada a continuar a ser um inferno fiscal. É necessário implementar reformas importantes imediatamente após as eleições presidenciais de 2017. É urgente reduzir os impostos, com uma redução de 10% do imposto sobre o rendimento, a abolição do imposto sobre o património e a isenção do imposto sucessório, para que os nossos herdeiros possam beneficiar dos frutos do nosso trabalho, para que "herança" deixe de ser um palavrão. As heranças até 400.000 euros em linha direta devem ser isentas deste imposto, que hoje acrescenta imposto a imposto até ao túmulo.

VAP Consulting

Os nossos consultores estão à sua disposição

Olá e bem-vindo à VAP Consulting. A nossa equipa terá todo o gosto em responder a quaisquer questões que possa ter.

Alimentado por WpChatPlugins
pt_PT