Avançar para o conteúdo

Imposto sucessório: não é bom morrer em França

O imposto sucessório que está a afastar os franceses

Imposto sucessório. Nos últimos anos, o imposto sucessório tornou-se uma questão estratégica para os países que pretendem atrair contribuintes ricos de todo o mundo. De tal forma que a maioria optou por abolir este imposto. Seguindo o exemplo de Portugal e a Suécia, ou para a sua redução, seguindo o exemplo dos Estados Unidos e da Itália.

Mas nada disso acontece no nosso país! Em nome da "exceção fiscal francesa", optámos por aumentar este imposto em vez de o reduzir; mesmo que isso signifique lamentar as sucessivas partidas dos nossos compatriotas mais ricos que vão viver e morrer em céus menos tributados...

Alguns contribuintes conhecidos: Florent Pagny, Charles Aznavour, Johnny Hallyday; e sobretudo um grupo de contribuintes desconhecidos. Todos eles têm uma coisa em comum. Saíram de França, geralmente com a mulher e os filhos, por razões fiscais mais ou menos evidentes. Uma das muitas vantagens de viver no estrangeiro é o facto de evitarem pagar o imposto sucessório francês, desde que os seus herdeiros também vivam no estrangeiro.

Um dos impostos mais elevados do mundo

Em França, a taxa marginal de imposto sobre as heranças em linha direta, ou seja, entre pais e filhos, é de... 45 %, que é a taxa mais elevada da União Europeia. A título de comparação, a taxa é de apenas 30 % na Alemanha, 15 % na Dinamarca e mesmo 4 % em Itália. Além disso, é a terceira taxa mais elevada do mundo, em linha direta com o Japão (55 %) e a Coreia do Sul (50 %).

A esta taxa exorbitante junta-se o facto de a França ter uma das mais baixas taxas de imposto sucessório (montante isento de imposto sucessório) do mundo: 100.000 euros contra 1 milhão de euros em Itália e atualmente 11,2 milhões de dólares nos Estados Unidos.

E a tributação é ainda mais confiscatória para os outros herdeiros, pois podem ser tributados até 55 %. Se fizerem parte do agregado familiar e até 60 %, sem qualquer dedução, no caso contrário.

Um imposto que aumentou recentemente

O imposto sobre as sucessões, que já era elevado, tem vindo a ser gradualmente aumentado nos últimos anos. A taxa marginal de imposto aplicável aos descendentes directos foi aumentada em 2013 de 40 % para 45 %. Além disso, o montante do subsídio aplicável (montante isento de imposto). foi reduzido em mais de um terço em 2012, passando de 159.325 euros para 100.000 euros. Para não mencionar que as condições para beneficiar deste subsídio foram significativamente reforçadas. Isto porque o período de "declaração fiscal", ou seja, o período aplicável antes de um herdeiro poder beneficiar do subsídio no momento da herança, foi alargado. Este período, inicialmente fixado em 6 anos, foi aumentado para 10 anos em 2011 e depois para 15 anos em 2012.

Congelamento da tabela de impostos

Além disso, a tabela do imposto sucessório está congelada desde 2012 (anteriormente era indexada à inflação, tal como a tabela do imposto sobre o rendimento). E o reforço do sistema de pagamentos fraccionados, que permite aos herdeiros escalonar o pagamento do seu imposto ao longo do tempo. O prazo de liquidação que podia, em determinadas circunstâncias. 10 anos, foi reduzido em 2015 para apenas 3 anos. No entanto, este prazo é muitas vezes difícil de respeitar, de tal forma que alguns herdeiros são obrigados a ceder, contra a sua vontade, uma parte dos seus bens herdados.

Por último, a taxa de juro a pagar pelos herdeiros para beneficiarem deste fracionamento foi também alterada em 2015, na medida em que a taxa legal muito baixa ou mesmo nula (0 % em 2013 e 2014) foi substituída por uma taxa de juro indexada ao crédito imobiliário a taxa fixa concedido a particulares (2,2 % em 2015).

Resultado: as receitas do imposto sobre as sucessões e, aliás, as receitas do imposto sobre as doações, dispararam nos últimos anos; de cerca de 7,7 mil milhões de euros em 2011, passaram para mais de 12 mil milhões de euros em 2016, segundo o Eurostat, o que representa um aumento de 56 % em apenas 6 anos!

E esse número pode aumentar ainda mais nos próximos anos...

Como resolver o problema da tributação confiscatória das heranças francesas? Tributando-as um pouco (ou muito!) mais. Claro que sim! De acordo com a France Stratégie, o OFCE e, mais recentemente, o Conseil des prélèvements obligatoires, o imposto sucessório francês, apesar de ser já um dos mais elevados do mundo, não é ainda suficientemente elevado para atingir o objetivo que alguns lhe fixaram, ou seja, "reduzir a parte das heranças na formação do património das famílias". Mais uma batalha francesa!

Assim, no seu último relatório, o Conseil des prélèvements obligatoires (Conselho dos impostos obrigatórios) propôs a redução ou mesmo a supressão do abono por filho. Ou mesmo suprimir o subsídio de 100.000 euros aplicável aos filhos, uma vez que o seu favorecimento fiscal já não está muito em voga. É evidente que uma tal supressão afectaria todas as famílias francesas e não apenas as mais ricas. Por isso, vamos pôr as heranças francesas em alerta...

Muitos países aboliram este imposto

Mais uma vez, a França está totalmente desfasada do resto do mundo. Desde o início dos anos 2000. 15 dos 35 países da OCDE aboliram o imposto sucessório, incluindo Portugal (2004), Suécia (2005), Rússia (2005), Áustria (2008), República Checa (2014) e Noruega (2014). A Itália também aboliu o imposto sucessório em 2001, antes de o reintroduzir em 2006 a uma taxa muito baixa.

Como se pode constatar, não foram os países que menos tributam ou redistribuem que aboliram o imposto sucessório. O nível de pressão fiscal e de despesa pública na Suécia e na Áustria. São relativamente próximos dos da França. Isto ilustra o facto de alguns países protectores terem sido capazes de colocar a sua prosperidade económica à frente de uma ideologia fiscal destrutiva. Na Suécia, o Estado-providência por excelência, foram os sociais-democratas que aboliram o imposto sucessório, o que teve um impacto benéfico porque o célebre fundador do IKEA, Ingvar Kamprad, e outros grandes industriais optaram por regressar ao país após vários anos de expatriação fiscal.

Uma tendência por razões económicas e morais

Esta tendência para abolir ou, pelo menos, suprimir o imposto sucessório tem razões económicas e morais. A abolição do imposto sucessório tem razões económicas e morais. De um ponto de vista económico. Os países confrontados com uma concorrência fiscal cada vez mais intensa sabem que têm de reduzir a tributação do capital ou correm o risco de ver os seus contribuintes abandonarem o país. Em segundo lugar, do ponto de vista moral, o imposto sobre as sucessões tem o inconveniente de sacrificar o conceito intergeracional e familiar de propriedade a favor de um conceito puramente monogeracional e individualista, o que equivale a limitar o âmbito da herança parental a elementos essencialmente imateriais, como a educação ou os valores morais.

É evidente que a monopolização das heranças pelo Estado. Não é do agrado de todos aqueles que trabalharam toda a sua vida na esperança de legar o fruto do seu trabalho aos seus filhos.

Fonte

VAP Consulting

Os nossos consultores estão à sua disposição

Olá e bem-vindo à VAP Consulting. A nossa equipa terá todo o gosto em responder a quaisquer questões que possa ter.

Alimentado por WpChatPlugins
pt_PT