Avançar para o conteúdo

Made in Portugal está na moda

Made in Portugal está na moda

Após anos de recessão e austeridade, Portugal regressou à senda do crescimento e da modernização. Analisamos as receitas que fizeram deste país um dos mais promissores da Europa.

Pufes coloridos, cantos de sofás, baloiços, mesas de ténis de mesa e de bilhar. Uma casa na árvore e um ambiente de colmeia estudiosa em frente aos computadores. Podíamos estar na Califórnia, mas estamos nos arredores do Porto. Sob os grandes telhados de vidro da Farfetch, a campeã mundial das vendas de luxo online.

Lançada pelo empresário português José Neves em 2008, a empresa tem 1,56 milhões de clientes em 190 países do mundo e registou vendas de 171,6 milhões de euros em 2016, mais 74 % do que no ano anterior. Opera entre Londres e Porto. Vendendo marcas conhecidas, chiques e exclusivas, bem como marcas de vanguarda. Anteriormente encontradas num punhado de lojas muito na moda em todo o mundo, estão agora a apenas três cliques de distância.

Conseguimos abanar um sector tão conservador como o dos artigos de luxo, introduzindo um novo privilégio - a poupança de tempo.

"Em 2016, éramos 600 em Portugal. Hoje somos 1300, dos quais mais de metade são engenheiros informáticos, afirma Andreia Gomes. Directora de Comunicação da Farfetch. Conseguimos abanar um sector tão conservador como o dos artigos de luxo, introduzindo um novo privilégio: o tempo poupado.explica ela.

Descolagem de novo

A empresa está agora a explorar novas áreas, como as "lojas do futuro", para oferecer, afirma, "Poderemos oferecer aos clientes novas experiências e uma oferta personalizada, aproveitando as vantagens da revolução digital e da realidade aumentada..

A história da Farfetch é uma história de retoma da economia portuguesa. Longe vão os tempos em que Portugal era um fornecedor de baixo custo para as grandes cadeias têxteis e de marroquinaria.

O país que está a ressurgir após anos de recessão e austeridade tirou o pó aos seus sectores tradicionais. Modernizou-se e abriu-se a todo o vapor aos mercados internacionais para sobreviver, apesar de a procura interna ter estagnado durante a crise.

Flexibilidade do mercado de trabalho

Cinco anos depois de ter sido forçado a um plano de resgate de 78 mil milhões de euros, acompanhado de um severo programa de ajustamento, Portugal é atualmente uma das economias mais promissoras da Europa. Portugal é atualmente uma das economias mais promissoras da Europa.

O Governo socialista, que chegou ao poder em novembro de 2015, com o apoio da extrema-esquerda, prometendo virar a página da austeridade, foi, no entanto, recebido com ceticismo pelos seus parceiros europeus. Mas, contra todas as probabilidades, o primeiro-ministro, António Costa, conseguiu fazer renascer a máquina.

"Jogou bem as suas cartas, enviando sinais tranquilizadores às classes médias e libertando os salários e as pensões. Sem, no entanto, voltar atrás nas reformas que tinham flexibilizado o mercado de trabalho e reduzido a dimensão do Estado".afirma António Costa Pinto, politólogo e professor da Universidade de Lisboa.

É esta combinação de recuperação e flexibilidade ao estilo escandinavo. É esta mistura escandinava de recuperação e flexibilidade que está a impulsionar o consumo e a revitalizar a economia do país, que é impulsionada por um boom no turismo e nas exportações.

O crescimento arranca

O crescimento está a arrancar. Atingiu 2,6 % em 2017, enquanto o desemprego desceu para 7,8 %, o valor mais baixo desde 2004, e o défice público foi reduzido para 1,4 %. O seu nível mais baixo dos últimos quarenta anos. Toda a Europa se interroga sobre a receita portuguesa.

Na sequência de sucessos como a Farfetch. Lisboa e agora o Porto tornaram-se destinos da moda para as empresas em fase de arranque, atraídas por uma mão de obra qualificada e facilmente multilingue, um ambiente agradável e a proximidade de locais privilegiados para a prática de surf. Mas o resto do sector também está a beneficiar de uma nova dinâmica.

Salário mínimo de 650 euros

Para além de um mercado de trabalho flexível, o país beneficia claramente de baixos custos laborais, com um salário mínimo de 650 euros. Mas isso não é tudo, diz Luis Castro Henriques, Presidente da Aicep. A Aicep é uma agência de desenvolvimento empresarial que apoia as empresas portuguesas exportadoras e facilita a entrada de investidores. "O que leva uma empresa a decidir instalar-se aqui é uma equação complexa de produtividade. O que introduz outros factores, como a facilidade de atrair talentos. A formação profissional e universitária, as competências linguísticas, a qualidade das infra-estruturas do país e a estabilidade social. O que oferece uma visibilidade a longo prazo".

Passámos de centros de serviços partilhados ou de simples escritórios de apoio a actividades mais complexas, de centros de engenharia avançada ao desenvolvimento de software.

As empresas francesas estão na vanguarda do investimento produtivo. As que estão cá há muito tempo estão a consolidar as suas posições, como a Renault, a PSA, a Faurecia e a Altran. Mas o perfil das recém-chegadas está a mudar", sublinha Luís Castro Henriques: "Passámos dos centros de serviços partilhados ou das simples operações de back-office para actividades mais complexas, dos centros de engenharia avançada ao desenvolvimento de software.

É o caso da Mecachrome, um grupo francês especializado em mecânica de alta precisão para a indústria aeroespacial, que inaugurou uma nova fábrica em Évora em outubro passado. A poucas centenas de metros, encontram-se as instalações da brasileira Embraer, o terceiro maior construtor aeronáutico do mundo. As duas empresas juntas estão a criar um terreno fértil para um novo cluster aeroespacial português", afirma Christian Santos, diretor da fábrica da Mecachrome, que está impressionado com os esforços feitos pela administração local para facilitar a instalação dos recém-chegados, nomeadamente em termos de recrutamento.

Serviços às empresas

"Existe uma verdadeira atitude de serviço às empresas por parte dos serviços públicos de emprego".explica. Não só desenvolveram cursos de formação personalizados especificamente para as profissões aeronáuticas, desde o fabrico de caldeiras ao trabalho em chapa metálica, pintura e controlo de máquinas, mas os gestores locais do Pôle emploi também estão interessados na satisfação dos empregadores, para ver como a formação pode ser mais eficaz. Procuram antecipar, saber de que pessoal vou precisar daqui a seis meses e de que formação específica vou precisar, para poderem adaptar os seus módulos em função da procura e encurtar o "time to job".

 Para nós, não se trata de uma questão de baixo custo, mas de "melhor custo".

Uma força de trabalho fiável, formada e motivada é um dos cartões de visita do país quando se trata de convencer as empresas a instalarem-se aqui. "Para nós, não se trata de uma questão de baixo custo, mas sim de 'melhor custo', afirma Christian Santos. Existe também uma proximidade geográfica e cultural. O que torna mais fácil trabalhar em conjunto do que na Polónia ou na Turquia.

A par dos recém-chegados, as indústrias tradicionais do país também sofreram uma revolução", explica a Secretária de Estado da Indústria, Ana Teresa Lehmann, citando como exemplos os sectores têxtil e do couro: "Trabalharam também a noção de marca e a perceção de qualidade, reorientando a imagem do made in Portugal para uma ideia de design topo de gama e de valor acrescentado.

Novos mercados

Investir, inovar e reinventar: esta é também a receita aplicada pela Vista Alegre, a marca emblemática da porcelana portuguesa, para sair da beira da extinção em 2009, esmagada pela dívida. "A empresa, que se apoiava no mercado nacional e numa carteira de clientes fiéis, recuperou com a prospeção de novos mercados e conseguiu promover as suas competências para abrir novas parcerias.afirma Alda Costa, membro do Conselho de Administração.

A cerca de cem quilómetros a sul do Porto, a fábrica da Vista Alegre, em Aveiro, oferece uma imagem elegante, parada no tempo. Emoldurada pelos edifícios brancos e ocres da capela e do teatro, onde os operários eram educados. Nada parece ter mudado desde a sua fundação em 1824.

E, no entanto, para além das suas linhas de produção habituais, a empresa conseguiu um importante contrato com o Ikea. Fornece 30 milhões de peças por ano ao gigante sueco, com planos para aumentar esse número para 48 milhões de peças nos próximos anos. Para a Vista Alegre. Esta colaboração marca um renascimento, tal como o desenvolvimento de colecções para marcas como a KitchenAid e a Nespresso, e a conceção de loiça à medida para chefes com estrelas Michelin.

Inovação

Num sector muito diferente, o grupo Amorim, líder mundial das rolhas de cortiça, também conseguiu ultrapassar um período difícil. "Quem ia apostar na cortiça, quando as cápsulas de alumínio ou de plástico ameaçavam destroná-la? "afirma António Rios de Amorim. O presidente da empresa, que produz 4,7 mil milhões de rolhas por ano, um terço do total mundial.

Acompanhar a evolução dos tempos tem exigido um esforço constante de inovação ao nível dos processos de fabrico, da qualidade e da rastreabilidade da cortiça. Mas também para desenvolver a utilização da cortiça noutros sectores, como a produção de relva artificial. A sua introdução no processo de fabrico de carruagens ferroviárias e de conveses de navios de cruzeiro. E a sua utilização na indústria aeroespacial.

O Grupo Amorim, líder mundial das rolhas de cortiça. Conseguiu ultrapassar um período difícil - AFP/ PATRICIA DE MELO MOREIRA

Diversificação

Depois de alguns anos difíceis, "Os ventos finalmente mudaram e vieram do Leste", diz ele. No final, foi a preferência acentuada dos consumidores chineses pelas rolhas de cortiça que fez pender a balança a seu favor e convenceu o sector do vinho a regressar às suas origens. Isso fez pender a balança a seu favor e convenceu o sector vitivinícola a regressar às suas origens. Aumentar a procura após anos de abrandamento.

 Temos um problema de escala, com muitas microempresas que não são muito competitivas. 

Em Lisboa, no seu gabinete com uma vista deslumbrante sobre a Ponte 25 de abril. O dirigente da associação patronal, António Saraiva, presidente da Confederação da Indústria Portuguesa, saboreia com cautela a recuperação económica do país.

"Temos apenas 20.000 empresas exportadoras num total de 400.000. Isto representa apenas 5 %, recorda. Temos um problema de escala, com muitas microempresas que não são muito competitivas. Os que sobreviveram à crise são os mais sólidos. Mostraram grande resiliência e foram capazes de se abrir e de se transformar. Mas não podemos ficar por aqui", adverte. Para avançarmos, temos de aumentar o nosso volume. Teremos de nos fundir, absorver e promover a concentração. Não havia qualquer hipótese de ele ficar por ali.

Fonte 

Etiquetas:

VAP Consulting

Os nossos consultores estão à sua disposição

Olá e bem-vindo à VAP Consulting. A nossa equipa terá todo o gosto em responder a quaisquer questões que possa ter.

Alimentado por WpChatPlugins
pt_PT