Avançar para o conteúdo

Tributação de 183 dias de residência fiscal!

Fala-se frequentemente da regra dos 183 dias para se ser não residente em França para efeitos fiscais e, por conseguinte, deixar de pagar impostos nesse país! Quando é que isso acontece exatamente?

Mas atenção, este é apenas um dos 4 critérios, por isso, se preencher algum dos outros 3, terá de ter cuidado. O assunto continua por resolver!

Para recordar, os critérios são :

- o domicílio ou a residência principal do contribuinte: por domicílio entende-se o local onde o contribuinte vive habitualmente, ou seja, o local de residência habitual, desde que esta residência em França seja permanente.

- ou a sua atividade profissional: as pessoas que exercem uma atividade profissional em França, por conta de outrem ou por conta própria, são igualmente consideradas domiciliadas em França, a menos que provem que essa atividade é exercida a título acessório.

- ou o centro dos seus interesses económicos, ou seja, o local onde os contribuintes realizaram os seus principais investimentos, onde têm a sede da sua atividade ou a partir de onde administram o seu património.

Se um destes critérios estiver preenchido, o contribuinte será considerado como tendo o seu domicílio fiscal em França e, por conseguinte, estará sujeito a impostos a nível mundial, incluindo todos os rendimentos e activos de origem francesa e estrangeira. Nesta fase, recomenda-se vivamente a realização de uma avaliação dos activos de expatriação para definir os riscos e os ajustamentos a efetuar para evitar o risco de ser classificado como residente fiscal francês.

Depois, em caso de litígio, recorrer-se-á à convenção fiscal (se possível, com o seu país de expatriação) para resolver o litígio.

Mas o que é este princípio dos 183 dias?

Regra geral, considera-se que os contribuintes que permanecem em França durante mais de seis meses num determinado ano têm a sua residência principal em França.

Estamos a falar de 183 dias ou meio ano em território francês... mas é melhor pensar em termos de "estadia principal".

Considera-se que a condição de residência principal está preenchida quando os contribuintes se encontram pessoal e efetivamente presentes em França a título principal, independentemente do local e das condições de residência das suas famílias.

Além disso, é igualmente importante que as pessoas em causa vivam num hotel, com uma família ou num alojamento que lhes seja disponibilizado gratuitamente.

No entanto, a regra da duração não é um critério absoluto. Por exemplo, um contribuinte que tenha permanecido em vários países no mesmo ano será considerado residente em França para efeitos fiscais se a duração da sua estadia em França for superior à duração das suas estadias nos outros países. É o que nos recorda a jurisprudência.

Note-se que esta regra dos 6 meses não se aplica à tributação dos rendimentos do ano em que o contribuinte adquire um domicílio em França ou, pelo contrário, transfere o seu domicílio para o estrangeiro.

Fonte

Fala-se frequentemente da regra dos 183 dias para se ser não residente em França para efeitos fiscais e, por conseguinte, deixar de pagar impostos nesse país! Quando é que isso acontece exatamente?

Etiquetas:

VAP Consulting

Os nossos consultores estão à sua disposição

Olá e bem-vindo à VAP Consulting. A nossa equipa terá todo o gosto em responder a quaisquer questões que possa ter.

Alimentado por WpChatPlugins
pt_PT