Avançar para o conteúdo

PENSIONISTAS EXPATRIADOS NA MIRA

PENSIONISTAS EXPATRIADOS NA MIRA

O deputado do LREM, Sacha Houlié, denunciou a desigualdade de tratamento entre os reformados que vivem em França e os que vivem no estrangeiro e que foram isentos da caminhada da CSG....

Ir viver ao sol, ganhar poder de compra e gozar uma reforma tranquila. Muitos franceses optaram por passar a sua velhice no estrangeiro, em lugares como Marrocos ou Portugal. É um modo de vida diferente, que por vezes tem as suas vantagens em termos fiscais, mas talvez não por muito mais tempo!

Uma verdadeira desigualdade!

De acordo com Les Echos, o deputado da maioria Sacha Houlié gostaria de os ver contribuir. O deputado sublinha "uma verdadeira desigualdade entre os reformados em França que sofreram um aumento da CSG, que nós assumimos, e aqueles que não sofreram, que não são residentes fiscais". "Uma vez que decidimos fazer com que todos contribuam, todos devem contribuir. É uma questão de solidariedade e de equidade", afirma o eleito de Vienne...

Numa nota enviada ao Palácio do Eliseu e a Bercy, defende um aumento das contribuições para os reformados que se encontram em exílio fiscal.

Atualmente, os franceses residentes no estrangeiro não estão sujeitos à CSG sobre as suas pensões. Ao contrário dos residentes em França, que sofreram um aumento desta contribuição de 1,7%.

Retenção na fonte

Como refere Les Echos. Um decreto de dezembro de 2017 indicava que este aumento deveria ser repercutido nas suas contribuições de saúde, mas foi suspenso porque teria afetado todos os reformados. Independentemente dos seus rendimentos. Sem dados fiscais, é impossível isentar as pequenas pensões...

Para Sacha Houlié, tudo muda com a introdução da retenção na fonte. A administração francesa poderá "conhecer o montante das remunerações, dos salários e das pensões recebidas e introduzir um limiar que desencadeie um aumento das contribuições".

As pequenas pensões estão isentas 

O deputado seria mesmo a favor de um aumento superior em países onde os regimes fiscais são vantajosos, como Portugal... Tudo isto alimenta ainda mais as críticas ao Governo, acusado de fazer pagar os reformados.

Mas o deputado do LREM defende-se: "Estamos a evitar afetar o trabalhador argelino que recebe uma pensão de 800 ou 900 euros depois de uma vida inteira de trabalho em França, explica... Por outro lado, alguém que tenha tido uma boa carreira em França com um bom rendimento de substituição irá contribuir".

A proposta está longe de ser unânime no seio da maioria... A deputada do LREM para os franceses no estrangeiro, Anne Genetet, apresentou um relatório a Edouard Philippe sobre a mobilidade. Na sua opinião, "querer aplicar a mesma taxa de CSG aos reformados em França e no estrangeiro não faz sentido. Quando se vai para o estrangeiro, contribui-se para um sistema de proteção que pode ter outras desvantagens".

VAP Consulting

Os nossos consultores estão à sua disposição

Olá e bem-vindo à VAP Consulting. A nossa equipa terá todo o gosto em responder a quaisquer questões que possa ter.

Alimentado por WpChatPlugins
pt_PT