Avançar para o conteúdo

Uma vez em Portugal, as pessoas não querem voltar

Em 2013, Portugal introduziu uma isenção quase total do imposto sobre o rendimento (durante 10 anos) para os expatriados que se mudem para o país. Embora muito eficaz nos primeiros meses, será esta medida ainda suficiente para atrair novos residentes? Cécile Gonçalves, directora da agência imobiliária Maison au Portugal, dá a resposta.

La Tribune : Como funciona a isenção de impostos para os novos residentes? É reservada aos idosos?

Cécile Goncalves, Directora de Casa em Portugal : O benefício fiscal introduzido em 2013 baseia-se no estatuto de residente não habitual, o que significa que não deve ter sido residente em Portugal para efeitos fiscais nos últimos cinco anos, mas não há requisitos de idade ou nacionalidade. Isto permite atrair tanto reformados, com elevado poder de compra, como profissionais de sectores que deles necessitam. Trata-se sobretudo de actividades de elevado valor acrescentado: empresários, arquitectos, designers, etc.

Se um reformado francês se mudar para Portugal, não pagará qualquer imposto sobre as suas pensões de reforma durante dez anos. Uma pessoa que venha trabalhar pagará apenas 20% de imposto sobre os rendimentos que receber da sua atividade em Portugal, também durante dez anos.

Poderá este benefício fiscal ser posto em causa num futuro próximo? Em caso afirmativo, a isenção deixará de existir para aqueles que dela beneficiam?

Todos os que chegaram desde 2013 continuarão a beneficiar da isenção fiscal em qualquer caso, porque tornar a lei retroactiva é inconstitucional em Portugal. Além disso, pelo que se ouve aqui em Portugal, não se trata de a pôr em causa. A medida foi promulgada pelo atual governo de direita, mas já tinha sido prevista pelo anterior governo socialista, pelo que existe um verdadeiro consenso político. A maioria dos portugueses é favorável a esta isenção, numa atitude verdadeiramente pragmática: sabem o quanto ela é benéfica para a economia do país.

Qual é o perfil típico de um expatriado em Portugal?

Em 2015, os três principais países de acolhimento de novos residentes foram a Grã-Bretanha (23%), a China (18%) e a França (16%). No primeiro semestre de 2016, os franceses estão no topo da lista, com 25,51 TPT de novas entradas, de acordo com as previsões da Apemip. Entre os nossos clientes, temos mais de 80% de reformados ou de pessoas que estão prestes a reformar-se e que se estão a antecipar.

Para além do aspeto fiscal, porque é que estes novos residentes escolhem Portugal?

Há muitas razões para isso: o clima mediterrânico, a autenticidade do centro de Lisboa e de algumas aldeias, o litoral, a gastronomia, a cultura, etc. Existe um verdadeiro modo de vida suave em Portugal que atrai rapidamente os expatriados. Prova disso é o facto de nenhum dos nossos clientes que partiram nos últimos anos ter regressado! Há também um ganho real de poder de compra, estimado em 35% para os franceses que se mudam para Portugal. É também um país muito calmo e tranquilizador.

O afluxo maciço de novos residentes não fará subir os preços dos imóveis?

Atualmente, há cerca de um quarto de compradores estrangeiros de imóveis em Portugal, o que é certamente uma proporção elevada, mas não insana. Mas é verdade que os preços começaram a subir desde a introdução desta medida fiscal e a chegada de novos residentes. No entanto, continuam a ser medidos, uma vez que Portugal não viveu uma bolha especulativa nos anos 2000 como a França. Por exemplo, para os imóveis vendidos no nosso sítio (ou seja, imóveis novos ou renovados), o preço por metro quadrado varia entre 4 e 9000 euros no centro de Lisboa. No Algarve, no sul do país, o preço por metro quadrado começa nos 2.500 euros.

Fonte

VAP Consulting

Os nossos consultores estão à sua disposição

Olá e bem-vindo à VAP Consulting. A nossa equipa terá todo o gosto em responder a quaisquer questões que possa ter.

Alimentado por WpChatPlugins
pt_PT