Avançar para o conteúdo

EXPATRIADOS FRANCESES E FISCALIDADE

UM RELATÓRIO RECOMENDA QUE POSSAM BENEFICIAR DE REDUÇÕES E CRÉDITOS FISCAIS

Os franceses que vivem no estrangeiro estão atualmente excluídos da maior parte das deduções fiscais. De que beneficiam todos os contribuintes residentes em França. A deputada do LREM, Anne Genetet, propõe que estes beneficiem destas deduções e que certas deduções obrigatórias sejam suprimidas.

Um relatório apresentado a Édouard Philippe na terça-feira propõe medidas para melhorar a situação dos cidadãos franceses que vivem no estrangeiro. O relatório lamenta que as regras sejam "extremamente complexas ou inadequadas e, por vezes, até injustas ou não equitativas".

Elaborado pela deputada do LREM para a França no estrangeiro Anne Genetet. Este relatório inclui uma componente fiscal importante. Em particular, sugere a abertura de certas deduções de despesas e créditos fiscais aos "não residentes" que vivem no estrangeiro, defendendo uma "maior justiça fiscal".

Atualmente, estes não residentes pagam imposto sobre os rendimentos recebidos em França. Estão excluídos da maior parte das deduções disponíveis para os contribuintes residentes em França.

O relatório sugere, por exemplo, que lhes seja permitido beneficiar de deduções ligadas às pensões de alimentos. A renovação energética e o regime Pinel. Na condição de as despesas em causa serem efectuadas em França.

Outra proposta. Abolir a taxa mínima de imposto de 20% para os não residentes, que é "profundamente injusta para os rendimentos mais baixos". O relatório propõe ainda a "supressão das contribuições para a segurança social". Como a CSG sobre os rendimentos prediais, que é objeto de um contencioso europeu.

Matignon apoia "a maior parte" destas ideias

É tempo de deixar de tratar os não residentes como potenciais exilados fiscais. E de os fazer pagar pela baixeza de uma pequena fração. Pelo contrário, os franceses no estrangeiro querem ser considerados como membros de pleno direito da comunidade nacional". Anne Genetet salienta.

Segurança social. Sugere também um abrandamento do aumento (+4,9% em 2018) do "Cotam", uma contribuição paga pelos reformados franceses no estrangeiro para continuarem a beneficiar de reembolsos de cuidados de saúde durante a sua estadia em França.

Num comunicado de imprensa emitido por Édouard Philippe, o Governo francês anunciou o seu apoio à "maior parte dos objectivos e domínios de melhoria propostos no relatório", nomeadamente no que se refere à simplificação.

Reiterou o compromisso do governo de introduzir o voto pela Internet nas eleições consulares e nas próximas eleições legislativas em 2022.

No entanto, o Primeiro-Ministro é mais cauteloso no seu apoio ao pacote fiscal: "Algumas [propostas] poderão ser reflectidas nas leis financeiras no final do ano, sob reserva das consultas que o Governo irá efetuar nas próximas semanas", afirma o comunicado de imprensa de Matignon.

Não há aumento da CSG para os reformados no estrangeiro

Também com o objetivo de garantir a igualdade entre residentes e não residentes. Outro deputado do En Marche, Sacha Houlié, por seu lado, numa nota enviada a Bercy, propõe a supressão de uma vantagem de que beneficiam os reformados franceses que vivem no estrangeiro: a isenção da CSG. "Existe uma verdadeira desigualdade entre os reformados em França que sofreram um aumento da CSG, que nós assumimos, e os que não sofreram, que não são residentes fiscais", considera o deputado de Vienne, refere o Ecos. Para ultrapassar esta "desigualdade", propõe o aumento das quotizações dos reformados no estrangeiro. Esta medida será objeto de uma alteração.

Fonte

VAP Consulting

Os nossos consultores estão à sua disposição

Olá e bem-vindo à VAP Consulting. A nossa equipa terá todo o gosto em responder a quaisquer questões que possa ter.

Alimentado por WpChatPlugins
pt_PT