Avançar para o conteúdo

PORTUGAL, UM PAÍS SEM POPULISMO

Portugal, um país sem populismo

As eleições europeias estão a aproximar-se e Bruxelas teme um tsunami populista em todo o continente. Mas, em Portugal, este fenómeno não está a pegar. Por várias razões, explica o semanário EXPRESSO.

Na semana que antecedeu o dia 21 de dezembro, ao ver como este movimento se estava a desenvolver em França. Portugal não parou de respirar. O Presidente da República fez uma série de declarações e também prometeu que em Portugal não recorreu a violência indevidacitando como exemplo a nossa última revolução, "realizada com cravos.

E a montanha deu à luz um rato. A imagem mais emblemática do dia é, sem dúvida, a da concentração na Place de la Plagne. Marquês de Pombal, Lisboa. Cerca de vinte manifestantes rodeados por um cordão policial com pelo menos o dobro do tamanho. O governo estava preparado, mas em Portugal. Mas a sociedade civil revoltada, insatisfeita com a sua classe política, não responde ao apelo. Será que esse eleitorado não existe? Será que o facto de a indignação de 21 de dezembro não se ter transformado em acções é um sinal do fosso entre as promessas virtuais e as acções concretas? Existe um descontentamento efetivo? Em caso afirmativo, como se explica o facto de não se traduzir em acções de protesto ou em mudanças eleitorais?

Estes sucessos servem de baluarte contra o populismo em Portugal

Em outubro, o Governo português anunciou a sua intenção de reduzir o défice público para 0,2% do PIB em 2019. No ano seguinte, será totalmente abolido.

Para já, estes poucos êxitos servem de baluarte contra o populismo, mas nem por isso o país está imune.

Aucun parti représenté au Parlement ne tient un discours populiste. Mais cette possibilité n’est pas exclue. Surtout que nous savons qu’au Portugal, les gens sont très déconnectés de la politique. Ils soutiennent la démocratie en tant que régime idéal, mais ils ne comptent pas sur les partis ou sur les dirigeants. Cet accès de méfiance pourraient aussi un jour être récupérés par une personne qui dispose d’une certaine influence médiatique », commente João Tiago Gaspar, politologue.

Mas para além do aspeto económico, Portugal tem-se posicionado como um dos interlocutores mais conciliadores na questão das migrações. No programa de partilha de refugiados na UE. O país ocupa a 6ª posição.

Esta política de abertura também pode ser explicada pela demografia a meio mastro: a população está a diminuir há quase 10 anos.

« Je suis convaincu que nous serons en mesure d’inverser ces tendances xénophobes. Il est vrai que l’on assiste à l’émergence d’une vague de contestation, pour ne pas reconnaître les valeurs fondamentales et les droits de l’homme ; en gros, pour rejeter tous les éléments qui sont la base du projet européen. Le Portugal ne fait pas partie de ces pays qui suivent cette vague« , assure Rosa Monteiro, secrétaire d’État à la citoyenneté et à l’Egalité du Portugal.

VAP Consulting

Os nossos consultores estão à sua disposição

Olá e bem-vindo à VAP Consulting. A nossa equipa terá todo o gosto em responder a quaisquer questões que possa ter.

Alimentado por WpChatPlugins
pt_PT